Navegando Posts em Cotidiano

A decadência nos serviços de bordo

O pensador lança-se à tarefa de desembaraçar
o enrolado novelo que o mundo lhe apresenta,
mostrando como todo o fio não é mais do que ligação entre dois extremos,
o da eternidade e do tempo,
o da substância e o do acidente,
o de Deus e o do Homem.
E neste trabalho de desenrolar o novelo se lhe vai a vida.
Agostinho da Silva
(“As Aproximações”)

Ao longo das décadas foram dezenas de voos para a Europa, sempre em classe econômica, para atividades ligadas à música, como palestras, participação em Congressos ou júris de doutorado, mas preponderando, recitais e gravações. A constância determina a avaliação, após observação retida na memória. Há não muitos decênios os voos não saíam diretamente de São Paulo e a passagem obrigatória pelo aeroporto do Galeão era um fardo para qualquer paulistano, mercê da desorganização e da demora. Com a construção do Aeroporto Internacional de Guarulhos, os deslocamentos passaram a ser a partir de São Paulo. Depois da recente modernização desse aeroporto, o melhor do país, a vida do viajante tornou-se menos incômoda, pois alguns melhoramentos aconteceram. Ainda continua um transtorno absurdo chegar ao aeroporto, sobretudo em horários de pico ou quando há acidente grave ou chuva torrencial obstaculizando o trajeto. O trem expresso que sairá do congestionado centro de São Paulo, promessa bem antiga do governo estadual, deverá entrar em circulação brevemente, mas há ainda o problema da distribuição dos passageiros para os diferentes terminais que deverá ser feita, ainda, pelos ônibus. Alguns dos principais aeroportos do mundo já dispensaram esse meio de transporte para a ligação entre terminais.

Tenho por hábito chegar muitas horas antes de um voo. Há sempre um bom livro para se ler enquanto aguardamos o momento do embarque. Mais agradável seria a espera se preços escorchantes não fossem cobrados do momento em que ultrapassamos a barreira do exame dos passaportes pela PF e a verificação da bagagem de mão e dos pertences nas vestes. Esses preços estão acima do que se cobra no hemisfério norte. Nada a fazer, pois certamente uma engrenagem muito bem montada faz com que os preços nos vários pontos de venda de bebidas ou algo comestível se equivalham.

Modernizações como o finger, dispositivo que leva o passageiro até a porta da aeronave, já existem há tempos; contudo, quando se espera uma comodidade no interior do avião, assim como serviço de bordo menos direcionado à redução de custos durante as longas travessias, tal não acontece, apesar de preços das passagens em elevação contínua. Para o viajante que realiza desde o final dos anos 1950 a rota Brasil-Europa, a decadência e até, utilizando-me de palavra mais veemente, mesquinharia para com o passageiro naquilo que lhe é oferecido durante a travessia chama a atenção. Se for realizada uma pesquisa no que concerne ao tratamento desde a década de 1970 ao presente, a diferença no serviço de bordo é gritante.

Estou a me lembrar de voos, décadas atrás, por várias companhias que realizam a travessia a partir de São Paulo em direção à Europa. Altura do voo estabilizada, as aeromoças já apresentavam o menu completo impresso, podendo o passageiro escolher entre duas sugestões. Precedendo a refeição noturna, aperitivo era servido e havia farta variedade de bebidas para escolha. Logo após serviam o “jantar” e ofereciam para os amantes de vinho a garrafinha do tipo escolhido. Finda a refeição, passava o carrinho com licor ou conhaque. O material utilizado para todo esse processo era de boa qualidade, em plástico rígido ou vidro (entende-se o não emprego desse material após o fatídico 11 de Setembro). Quanto às mantas, algumas companhias as tinham em lã pura!!! Atualmente tudo foi alterado drasticamente, tanto na qualidade pífia do material, como no processo todo de apresentação e simplificação dos bens oferecidos.

Talvez o único benefício ocorrido nestas últimas décadas tenha sido a proibição do fumo durante as longas travessias, pois ao chegar ao destino o passageiro ainda teria durante um bom tempo suas roupas lembrando-o das horas vividas no interior da aeronave.

Um outro aspecto que evidencia a sanha predatória das companhias que fazem a travessia oceânica refere-se às bagagens. Em 2017 realizei três viagens para a Europa para participar de júri de doutorado, recitais e Simpósio, respectivamente. As três pela TAP. Nas duas primeiras, tive direito a duas bagagens de 32ks gratuitas, aliás, como nos anos precedentes. Na terceira, apenas uma até 23ks e para esse exemplar único foi cobrado E$ 75,00 (sic)!!! Paguei cerca de R$ 290,00. No regresso também tive de pagar a mesma quantia. O leitor nem precisa realizar elucubrações a respeito. É algo rigorosamente desproporcional. Os preços das passagens diminuíram, o serviço de bordo tornou-se mais generoso? Não, apenas não. Igualmente no presente cobram para os voos pelo país tarifa por bagagem sem que as passagens tenham sofrido redução, como alardearam as companhias aéreas.

Quanto às viagens mais longas pelo interior do Brasil, serviam, décadas atrás, a refeição. Em muitas delas o passageiro recebe hoje um pequeno invólucro com algumas sementes e um copo de água!!! Se quiser um café, tem de pagar. Passagem cara, café de garrafa!!! É algo inadmissível!!! Entendo como miserabilidade. Quanto ao preço da Ponte Aérea São Paulo – Rio, afirmam ser a mais cara do planeta, considerando-se os quase 40 minutos de voo.

Os tempos românticos se foram. Estou a me lembrar de ter solicitado em três viagens as mantinhas de lã pura de companhias aéreas transoceânicas. Apesar de propriedade da empresa, as aeromoças me ofereceram gentilmente. Àquela altura, minhas filhas ainda pequenas e minha mãe agradeceram essas prendas vindas do ar. Em outra oportunidade, ao preencher uma ficha que me foi entregue durante voo pela Air France, solicitei auxílio à aeromoça, pois tinha uma dúvida. Após dirimir minha hesitação, verificou, sem nada dizer a respeito, que aquele era o dia de meu aniversário, pois fixei-o na papeleta que exigia tal referência. Minutos depois voltou com um pacote fechado, desejando-me feliz aniversário. Havia seis pequenas garrafas de champagne que compartilhei, bebendo com velhos amigos parisienses!!! Outros tempos.

Poderei parecer demasiadamente conservador. A viagem aérea no passado revestia-se de certa magia. Na verdade existia um quase ritual. Os passageiros trajavam-se bem e, essa tradição mantida, influía certamente no serviço de bordo. Com a “democratização” dos voos na classe econômica, certamente um avanço social, esse ritual, que também poderia ser visto pelas ruas da cidade de São Paulo, perdeu completamente sua aura. Presentemente não mais existem “normas” para se trajar, exceções às tradições que permanecem nas classes empresarial e política, no judiciário e em tantas profissões. Contudo, nos voos que cruzam os oceanos, vê-se de tudo. Opções discretas ou berrantes são aceitas ou ao menos toleradas. A quebra absoluta daquelas condutas que existiam, mas não eram impostas, pois faziam parte de uma natural observância, não resultaria, sob alguma forma, nessa decadência do atendimento? Toda aquele esforço em manter um certo requinte no serviço de bordo não era assim pensado pelo fato de que as empresas sabiam que os que mantinham a tradição opinavam se algo não estivesse à altura? Nesses últimos anos durante os voos há aqueles que esticam as pernas pelos corredores, outros que não endireitam as poltronas quando do serviço de bordo, assim fazendo quando alertados pelo passageiro que se encontra na fila logo atrás. Nem comentemos os que falam alto durante horas. Jamais viajo sem proteção auditiva ou earplugs. Observo as muitas transformações que, apesar do “progresso”, remetem-me às recordações. No passado tinha verdadeiro prazer em estar num voo. Hoje, ao entrar na aeronave, só penso em chegar bem ao destino, desiderato final.

Sob outra égide, o poder das grandes empresas beneficiadas por agências reguladoras de toda ordem, é causador de distorções enormes, não mais se preocupando com o interesse do passageiro, do consumidor, do doente e de tantos outros cidadãos. Sempre afirmo que uma das chagas da atualidade é o lobista, figura que entendo sinistra. Haveria exceções? Esse personagem pode sempre ser encontrado junto aos três poderes e às agências reguladoras. A Lava-Jato e outras investigações sob diversos rótulos já retiraram do “mercado” muitas dessas figuras nocivas à sociedade. Mas, à maneira da erva daninha, extirpá-las é tarefa hercúlea nesse nosso país tão dilapidado e com a Justiça rigorosamente morosa, mercê dos recursos quase intermináveis apresentados pelos advogados das “vítimas”. Rigorosamente nada a fazer, a não ser mudar mentalidades. Será possível que isso aconteça? A decadência cultural, dos costumes, da moralidade, da ética é velocíssima. Quem não a sente? Será que a palavra esperança ainda persiste nos dicionários? Vou verificar.

This post deals with flying in economy class, comparing international flights onboard services of the past with those we have today, in the era of mass travel. Not only air companies seem to be engaged in a race downhill but now they also charge high prices for passengers to check their baggage, with no reduction on flight ticket cost.

 

Corridas recentes rememoradas

Parte do treinamento de um corredor
consiste em expandir os limites da sua mente.
Kenny Moore

Não estou a me lembrar da data precisa, mas há muitos anos mencionei num post encontro com amigo que não via desde os anos 1980. Afonso é seu nome. Esse encontro deu-se entre 2008 e 2010, creio. Comunicara ao amigo meu entusiasmo pelo blog e Afonso passou a lê-lo. Não mais o vi, mas por vezes recebia suas mensagens. Após o último blog, Afonso, que mora fora do Brasil, escreveu-me a dizer que não perde o post semanal. Comentou o último, sugerindo-me escrever e postar algumas fotos das corridas. Hesitei em fazê-lo, mas finalmente traçarei algumas linhas sobre provas das quais participei ultimamente, sempre com entusiasmo.

Pressupõe-se que o participante de corridas de rua realize treinos regulares. Como diz meu amigo maratonista, Nicola, se o corpo estiver preparado, a mente levará o corredor a qualquer parte. Há fortes razões para essa assertiva e treino três vezes por semana de 8 a 10km. Certeza de que o objetivo durante a prova será alcançado e que o corpo não claudicará.

Aos companheiros de corridas que conheci nesses quase 10 anos e 155 provas das quais participei, outros foram agregados. Sempre que se dá o encontro, antes e depois das provas, é notória a alegria. Não há competição, por vezes perniciosa maneira de indispor as pessoas, mas sempre, impreterivelmente, o prazer de estar bem cedo a viver o entendimento. Essa disposição é importante, pois há metas individuais amalgamadas ao entusiasmo coletivo pelas passadas e pelo companheirismo que, naturalmente, deságuam na qualidade de vida. Desta, fala-se muito como única razão, mas ela perde o caráter essencial se não houver a precedê-la o viver “aqui e agora”. Bem escreveu minha neta Ana Clara – em Maio me tornará bisavô de Catarina -, quando completei 100 corridas de rua, ao assinalar as etapas até o momento das largadas. Da inscrição à retirada do kit, ao número de peito colocado com os alfinetes, ao chip no tênis e à ida ao local indicado para a corrida, geralmente às 7:00hs. Preparativos que começam ao despertar às 4:30hs, sempre feliz pelo que deverá ocorrer. Por volta das 5:30hs, Batoré e seu irmão Ronaldo já estão em frente à minha casa e de carro ou de ônibus vamos às muitas corridas oferecidas em São Paulo ou em municípios e cidades próximas.

A célebre frase de Guerra Junqueiro que repito sempre em meus textos, “o tempo é insubornável”, foi bem assimilada. Convivo com ela diariamente e entendo como absolutamente natural essa passagem inabalável. Como guardo todas as fotos das corridas e as cronometragens, colando-os em já vários álbuns, percebo que em dez anos os tempos tornaram-se mais preguiçosos e, mesmo sempre a correr, a “máquina” já está mais lenta. Como metáfora, estou a me lembrar de nossa infância-adolescência quando, com meus pais e irmãos, descíamos até Itararé, bem perto da ilha Porchat, onde tínhamos um apartamento. No regresso pela Estrada Velha e, posteriormente, pela via Anchieta, os carros mais velhos subiam sôfregos, mas subiam. Não é assim entre os humanos? Assistir à passagem do tempo é de extraordinária valia. Tempo inexorável, “insubornável”, mas intenso. Hoje, “ao fio dos anos e das horas” – recorrendo a uma obra para piano do grande Lopes-Graça – em algumas corridas chego a ser o mais idoso entre milhares. Contudo, como não admirar meu colega de corridas Antônio Lopes, que já participou de mais de 800 provas de rua e que no primeiro semestre estará a completar 90 anos? Nunca o vi andar, sempre a correr, um motorzinho que respeita seus limites. Exemplo!!! Em várias provas fomos medalhistas nas nossas faixas etárias.

No ano que ora finda participei pela primeira vez de duas corridas na mesma manhã. Inscrito para a Global Energy (10km no campus da USP), recebi telefonema do Consulado Geral de Portugal em São Paulo para participar da Maratona de Revezamento Pão de Açúcar. Aquiesci. Dias após, por impossibilidade por parte de três membros do Consulado, fui consultado no sentido de conseguir mais três corredores para integrarem o octeto. Elson Otake e os meus dois companheiros habituais, Batoré e Ronaldo, estes também participantes da Global Energy, fecharam o octeto. Só pedi para que fôssemos os últimos a correr, pois, após a Global Energy, ainda teria de dirigir até o Parque do Ibirapuera e, a correr, atravessar com meus amigos todo o parque, do monumento dos Bandeirantes até a outra ponta, próxima à IV Centenário, pois lá estava montada a tenda. Desta, tive de correr mais um bom km até a passagem do comprovante de pulso na Av. Moreira Guimarães e que me foi entregue por Elson Otake. De lá, mais 5,2km até nova passagem da braçadeira, desta vez ao Ronaldo. Valeu a experiência. As fotos ilustram momento das duas provas.

Participei de diversas corridas do Circuito da Longevidade Bradesco Saúde em São Paulo e em Campinas. Muito bem organizadas, têm alguns milhares de inscritos. Na prova de Outubro de 2017 ganhei medalha de participação, mochila e dois troféus: da faixa etária e… como o mais idoso.

Um dos percursos mais agradáveis é o oferecido pelo Circuito Ruas e Rios na etapa do Jardim Botânico. Nos caminhos de terra batida e asfalto percorremos trechos no Jardim Botânico e, noutros, no Jardim Zoológico. A visualização de aves exóticas nos lagos, elefantes, tigres, girafas e tantos outros animais dá a essa corrida uma menção diferenciada.

Nem todas as empresas que promovem corridas têm organização digna de registro. Mencionaria as principais Corridas basicamente impecáveis: Juventus, promovida pelo simpático clube da Moóca; Esporte Clube Pinheiros; Trigo é Saúde; Shopping União em Osasco; Circuito da Longevidade Bradesco Saúde; Bombeiros no Ipiranga; Centro Histórico; Circuito Ruas e Rios; Monte Líbano. Também vale registrar o calendário, seletivo em número de participantes, organizado por equipes como a Corre Brasil (participo assiduamente de seus treinos), Neuri Dantas e Trilopez.

As várias etapas do Circuito Athenas pela marginal do Rio Pinheiros têm interesse. Contudo, é um absurdo o preço cobrado no estacionamento, onde todas as tendas estão montadas. Prefiro chegar de ônibus. Lamentável verificar que uma das empresas renomadas de São Paulo “burla” o estatuto dos idosos, que as obriga a conceder 50% de desconto para esses corredores, estabelecendo um cálculo diferenciado para que tal redução ocorra de maneira parcial. Enfim, há sempre aqueles que buscam o lucro maior, endemia brasileira.

Espero que Afonso encontre tempo além fronteiras para praticar corridas. Trata-se realmente de uma atividade sob todos os aspectos salutar, agradável e que exige disciplina e vontade, fatores que nos conduzem à tão decantada qualidade de vida.

At a friend’s suggestion, I resume the subject of running, mentioning the benefits for body and mind; the pleasure of interacting with other runners; listing my favorite races among the many of the race calendar; accepting the fact that I’m getting older (my body doesn’t work as well as it used to when I began running almost ten years ago); stressing that even amateur runners need discipline and will power, but the final outcome increased feeling of well-being is worth the effort.

 

Congraçamento durante treino e episódio a não ser esquecido

Um dos privilégios concedidos àqueles que evitaram morrer jovens
é o direito abençoado de ficarem velhos.
A honra do declínio físico está esperando,
e você precisa se acostumar com essa realidade.
Haruki Murakami

Participei de cinco provas da São Silvestre, tradicional corrida da cidade. De 2008 a 2012 estive a correr com muita alegria. Em 2011 mudaram novamente o trajeto e comumente estão a direcioná-lo para vias outras, a depender de intenções ou interesses mediáticos e de dirigentes. Mudanças de horários foram várias, da lendária chegada à meia noite ao período da tarde e, mais recentemente, à plena manhã do dia 31 de Dezembro. A mística desapareceu definitivamente. São bem claros os interesses dos meios televisivos!!! A prova da tarde conflitava com a festa que se realiza na Av. Paulista horas após, mas com o povo chegando bem cedo para as festividades de cunho “artístico” bem duvidoso.

Em 2012 participei pela última vez da hoje descaracterizada São Silvestre, com número de participantes a cada ano maior, tantos sem inscrições. A maioria só começa realmente a correr após dois ou três quilômetros, mercê das dezenas de milhares de atletas amadores, pois são pouquíssimos os de ponta. Um corredor a menos como veemente protesto, milhares d’outros que superlotam as ruas e avenidas para gáudio de promotores e da mídia.

Em blog sobre a São Silvestre no início de 2013 escrevia: “Após cinco participações na corrida de São Silvestre, a mais tradicional do Brasil, deixarei de frequentá-la. A morte do cadeirante Israel Cruz Jackson de Barros (31/12/2012), que poderia ter sido evitada fosse conservada a descida harmoniosa da Avenida da Consolação, e não a imposição da perigosa e íngreme descida da rua Major Natanael, verdadeira ‘pirambeira’, evidenciou o descompromisso com a razão primordial do evento, a corrida como congraçamento e não para satisfazer interesses ‘estranhos’. Denunciara o percurso num blog no início de 2012, a anteceder ao infausto acontecimento, mas os ouvidos da organização mantiveram-se tampados (vide blog “Corrida de São Silvestre e Equívocos – Quando interesses estranhos Sobrepõem-se à Alegria de Milhares”, 07/01/2012). Mencionei  nesse post o preceito latino abyssus abyssum invocat (abismo a chamar outro abismo)”. Nada a fazer.

É lamentável que o herói, que desapareceu por absoluta falta de previsibilidade de organizadores despreparados, tenha sido esquecido. Morrer durante uma corrida acontece desde o primeiro maratonista, Pheidippides, que sucumbiu ao correr cerca de 35km até Atenas para anunciar a vitória contra os persas na célebre batalha de Maratona em 490 a.C. Rarissimamente  acontece, mas corredores sem acompanhamento médico e técnico estão sujeitos a sofrer ataque cardíaco fulminante. Contudo, a morte do cadeirante Israel Cruz Jackson de Barros não poderia ter acontecido. Durante as duas corridas da São Silvestre que realizei a descer a rua Major Natanael, uma delas durante chuva torrencial, vi corredores caírem, tropeçarem ou escorregarem. Um absurdo que continuará até que alterem novamente trajetos e horários. Israel  Jackson deveria ser homenageado a cada corrida, mas esse ato implicaria a permanente revelação da falta de prudência da organização.

Pertenço a uma equipe organizada, a Corre Brasil, dirigida pelo dedicado Professor Augusto César Fernandes de Paula, assessorado pela esposa Val e boa equipe. Já treinamos a subir o Pico de Jaraguá, a percorrer o Caminho do Sal, antiga rota de terra daqueles que, no período colonial, subiam a Serra do Mar para abastecer de sal os povoados do alto da região, posteriormente cortada pela antiga estrada asfaltada São Paulo-Santos. Todos os anos, a Corre Brasil realiza em Dezembro, treinos simulados para os que desejam participar da Corrida de São Silvestre, na qual estão inscritos inúmeros integrantes da equipe. Com amigos corredores percorremos com entusiasmo esse trajeto durante o “treinão”. Outras equipes fazem o mesmo. Todavia, por princípio irrevogável, não desço a Major Natanael, a pirambeira trágica, mas sim a Avenida da Consolação, com declive prazeroso. Dou algumas voltas pelo Theatro Municipal, desço até o Largo do Paissandu e daí passo novamente pelo Theatro, viaduto do Chá, Faculdade de Direito e, após leve descida, enfrento a subida da Avenida Brigadeiro Luís Antônio, lenda que está na mente do povo. Jornalistas e narradores há décadas teimam em defini-la como um enorme desafio. Lendas são transmitidas através da oralidade e essa consolidou-se, tornando-se temida no imaginário popular. Dosando-se passadas e respiração, o aclive é percorrido sem quaisquer problemas. Foi a décima vez que subi a Brigadeiro e a cada ano, apesar do avanço etário, esse trecho me parece mais familiar, mormente se subimos no treinamento -  sempre em um domingo – na contramão pela via do ônibus, com plena visibilidade, o que permite, com tranquilidade, passarmos para a calçada, essa temerária. É lógico que, para os atletas de ponta que desenvolvem velocidades admiráveis, principalmente os quenianos, etíopes, marroquinos e outros africanos, é nessa subida que se dá a diferença entre eles e os comuns mortais durante a São Silvestre. Curiosamente, nesse treino, como desci a Avenida da Consolação, realizei um menor trajeto e, ao subir a Brigadeiro, fui ultrapassado por um queniano que participou do ensaio. Como um bólido desapareceu segundos após com suas passadas largas, suas pernas finas e um DNA surpreendente. Encontrei-o no final e, sorridente, disse-me que fizera o percurso em tempo não muito maior do que seus compatriotas, com os quais correrá no dia 31. Realmente!!!

Ao final do simulado houve a confraternização de todos os integrantes da Corre Brasil, com distribuição de medalhas, sucos, sorvetes e muita alegria. Ao longo de dez anos a correr, nessa atividade amadora como tantas outras, jamais vi uma só discórdia, um só gesto que não fosse aquele voltado ao espírito esportivo, ao congraçamento e à qualidade de vida.

Que esse espírito seja o vigente neste 2018 que está a nascer. Num país eivado de criminalidades de toda a ordem, do batedor de carteira ou de celular aos poderosos empreiteiros e políticos que não chegam a esquentar suas celas nas prisões, mercê da infinidade de recursos que tornam felizes advogados do ramo, assim como da prepotência de magistrados das altas cortes que os libertam e dos indultos presidenciais (sic), os momentos de felicidade espontânea que sentimos nesses congraçamentos ligados às corridas de rua, mesmo que passageiros, tornam-se um bálsamo. Comecei a participar das provas de rua aos 70 anos. Já lá se vão 155 corridas!

Apesar desses últimos 13 anos em que a corrupção extrapolou os mais inimagináveis limites, saudemos 2018. Haverá esperanças para um Brasil a sofrer de “amoralidade endêmica” por parte daquelas figuras que se multiplicaram, mormente na vida política e empresarial? São tantas as incertezas… Continuemos a acreditar em dias melhores para o país.

In the last post of the year random thoughts wander through my mind: my love of running — the interaction with fellow runners, the rush of hormones that relieve stress and make me happier —, the new route of the traditional St. Sylvester Road Race held in São Paulo every 31 December, Brazil corruption scandals and our long road of unmet expectations.