Navegando Posts em Impressões de Viagens

Da solidão a uma noite mágica

De todas as histórias que nos contava guardei apenas
uma vaga e imperfeita lembrança. Porém,
uma delas ficou tão nitidamente guardada em minha memória,
que sou capaz de repeti-la a qualquer momento,
a pequenina história do nascimento de Jesus.
Selma Lagerlöf (1858-1940)
“Lendas cristãs”
Prêmio Nobel de Literatura (1909)

Quantos de nós, cristãos, não temos algumas recordações do Natal enquanto crianças? Havia algo misterioso relacionado ao evento maior da cristandade. Quando miúdos, era-nos ensinada toda a saga que culminaria com o nascimento de Jesus e, nesse contexto, também aguardávamos a figura do Papai Noel com seus presentes.

O tempo passou e, aos 20 anos, um prêmio num Concurso Nacional de Piano em Salvador contemplou-me com bolsa do governo da França para estudar em Paris. Devido a não burocracia dos franceses, poucos dias após já estava em Paris.

Primeiro Natal fora do lar naqueles remotos tempos de amizades ainda não solidificadas. Intenso estudo pianístico, sob orientação da lendária pianista e professora Marguerite Long, levava-me, por vezes, a 10 horas diárias de estudo.

Noite gélida na véspera do Natal de 1958 em Paris. O barômetro apontava 3 graus negativos no portal do prédio onde morava, Rua Jacques Bingen, 16, no 17ème. Sai a caminhar sem destino preciso. No percurso via muitos apartamentos iluminados, a contrastar com o aspecto dos prédios que, àquela altura, ainda mantinham um cinzento sombrio, treze anos após o final da 2ª Grande Guerra. As passadas a esmo na gélida noite apenas acentuavam um sentimento de nostalgia. Nevava tenuemente.

A intenção primeira era continuar a andar por uns bons quilômetros sem rumo preciso, mas a cerca de um ou dois km após, ao passar em frente a um edifício que mantinha as luzes acesas e portas abertas, ouvi vozes femininas a cantar. Surpreso, simplesmente parei e fiquei encantado após pensamentos, se não negativos, incertos. Repentinamente, duas freiras já com certa idade desceram uns poucos degraus da escada e, agitadas, conversavam sobre a ausência do organista para a missa do galo. Delas me aproximei e perguntei-lhes se algo grave ocorrera. Disseram que o coral das noviças sempre cantava com acompanhamento na noite de Natal e que sem um guia se sentiam desamparadas. Afirmei-lhes que estava em Paris a estudar piano e que se quisessem… A agitação transformou-se em sorrisos largos e conduziram-me ao recinto onde as moças estavam realmente desconsoladas. O instrumento era um antigo harmonium ou harmônio. Deram-me as partituras e iniciamos a seguir os ensaios, que demoraram uma boa hora, pois logo após cidadãos, a maioria constituída por casais de idosos bem protegidos do frio intenso, adentraram parte da sala transformada em Capela.

Solicitei que uma das freiras ficasse ao meu lado para as entradas dos hinos religiosos durante a Santa Missa. Não me recordo das peças sacras que acompanhei no transcurso da cerimônia religiosa, apenas vindo-me à memória a célebre “Adeste Fidelis”. À medida que transcorria a Missa algo extraordinário se passava comigo, uma espécie de entusiasmo contido. Finalizada a Missa, enquanto os fiéis ainda permaneciam na Capela, toquei, em ato espontâneo naqueles momentos de confraternização, “Jesus Alegria dos Homens”, de J.S.Bach-Hess, incidente inusitado, mas que agradou as irmãs da Ordem religiosa.

Clique para ouvir, de Bach-Hess, o coral “Jesus alegria dos homens”, na interpretação de J.E.M. (gravação realizada em Mullem, Bélgica, 2004):

https://www.youtube.com/watch?v=flrkpW5L4KQ

Findos os ofícios, despedi-me das freiras, que não me deixaram partir, fazendo-me um convite, pois no salão contíguo à Capela, haviam preparado uma ceia singela. Para o jovem que eu fui, aquele sincero apelo para que permanecesse foi um verdadeiro bálsamo, evocou o que sempre senti nas festas natalinas em casa de meus pais e dissipou quaisquer pensamentos de nostalgia. Ao perguntar a uma das freiras a Ordem a que pertenciam, disseram-me que se tratava de uma irmandade católica de origem norte-americana.

Ao regressar naquela noite tão fria rememorei tantos contos lidos ao longo das décadas que invocavam episódios mágicos ou misteriosos relacionados ao Natal. Fiquei a pensar que não teria sido apenas o acaso, mas algo mais, pois até então nunca havia transitado por aquela rua. A não menos de 100 metros de onde morava há a Église Saint-Charles-de-Monceau, na Rue Légendre, igreja que frequentei várias vezes, tendo por ela passado no início da caminhada daquela noite, mas sequer prendeu-me a atenção.

Clique para ouvir do notável compositor e meu estimado amigo, Eurico Carrapatoso, “Ó meu menino Magnificat em talha dourada”. Coro e Ensemble Olisipo, soprano Angélica Neto:

https://www.youtube.com/watch?v=Mdud4L0yR4U

Se tivesse de enumerar outras reuniões natalinas mantidas na memória, não saberia precisá-las em seus pormenores. Esvaíram-se e apenas lampejos veem-me à mente. Qual a razão de unicamente aquela véspera de Natal em Paris ter ficado indelével, com suas cenas incólumes? Ao pensar nelas, a mente ativa as imagens registradas e guardadas no meu de profundis. O notável filósofo francês Vladimir Jankélévitch (1903-1985) afirmava que o segredo se explica, o mistério é insondável.

Fosse hoje, não mais me sentiria sequer seguro a perambular noite adentro pelas ruas menos frequentadas de Paris.

A todos os leitores desejo um Natal em Paz, algo de que estamos a necessitar nestes tempos turbulentos por que passa o país.

Clique para ouvir “Natal de Elvas”, na interpretação do Coro Capela Gregoriana Laus Deo, dirigido pela minha dileta amiga Idalete Giga, que realizou a harmonização da música extraída do Cancioneiro alentejano:

https://www.youtube.com/watch?v=l5YnExjckwU

Of all Christmas nights I have attended, very few actually remain in my memory. Only one was unforgettable: a magic Christmas eve in Paris in 1958, probably the happiest of my entire life, indelibly retained in my mind with all details.

O retorno aprazível

Se não apontares ao impossível, te sairá baixo o tiro ao possível.
Agostinho da Silva
“Espólio”

Foi no longínquo 1971, ano em que a cidade de Goiânia comemorava seus 38 anos de fundação, que pela primeira vez me apresentei na cidade. Já demonstrava a vocação de ser uma das pujantes do Centro-Oeste, apenas superada por Brasília em termos populacionais. Minha relação com a cidade se prolonga ao longo de meio século, volvendo periodicamente a fim de recitais promovidos por diversas entidades, mas também para cursos, congressos e bancas universitárias junto à Universidade Federal de Goiás.

Estou a me lembrar de ter oferecido curso na Escola Mvsika para jovens postulantes à carreira musical, após realizar duas apresentações em anos sucessivos.  O convite veio através da referencial pianista e professora Glacy Antunes de Oliveira, uma das fundadoras do estabelecimento. Foi no biênio 1974-1975 que frequentei a cidade no fim de cada mês para aqueles encontros didático-musicais. Com alegria reencontrei na atual visita antigos frequentadores do curso e que hoje desempenham profícua atividade musical na cidade.

O universo dos afetos contempla geograficamente cidades que são caras por motivos diversos. Não é fácil saber os motivos das escolhas, pois eles naturalmente se instalam em nosso de profundis. Se Paris ficou-me indelével pela formação primordial entre os anos fronteiriços às décadas 1950-60 e pela relação posterior intensa em torno de Claude Debussy; se Gand, na Bélgica, me é preferencial sob outra perspectiva, pois lá me apresentei mais de vinte vezes e pelo selo De Rode Pomp foi lançada a maioria de meus 25 CDs gravados na mágica capela Saint-Hilarius, em Mullen, milenar pequena cidade próxima à Gand, sendo que espero finalizar minha atividade pianística nessa cidade flamenga, mercê do legado e de indelével relacionamento humano; se Portugal como um todo, pois cerca de vinte cidades foram visitadas para recitais prioritariamente, mas também para outras atividades culturais ao longo de 60 anos e afetos imaculados incontáveis; em termos pátrios uma cidade tem para mim significado especial, Goiânia. Quantas outras foram repetidamente visitadas e das quais guardo recordações que perduram! No crepúsculo da atividade pianística seria possível aceitar que o curso mencionado nos inícios da década de 1970 fincou sólidas bases, o que fez com que aos sucessivos convites para várias atividades ligadas à música tivessem singular posicionamento. Diria que os elos forjados naqueles tempos permaneceram imunes a quaisquer possibilidades adversas.

Durante o período mais sombrio da pandemia resolvi doar parte substancial de minha biblioteca musical, incluindo partituras, à Universidade Federal de Goiás. Uma camioneta da UFG retiraria 14 caixas com esse primeiro acervo. Alguns amigos e professores comentaram que a destinação deveria ter sido a Universidade de São Paulo, onde permaneci durante 27 anos. Não obstante essas salutares divergências, entendo que o Sudeste já está contemplado por acervos consideráveis não apenas nas três universidades paulistas, como nas do Rio de Janeiro e outras mais… Le coeur a ses raisons que la raison ignore, já professava Blaise Pascal (1623-1662). Diria que razão e coração se incluem na minha decisão, que será completa quando de minha ida para os anjinhos. Minha mulher e filhas não apenas acatam, como estimulam o envio à UFG do acervo que ainda mantenho e que me possibilita continuar pesquisas… A modesta contribuição será propícia àqueles pesquisadores do Centro-Oeste e, só de pensar nesse futuro debruçamento de estudiosos, traz-me aquilo que professava meu padrinho de crisma, D. Henrique Golland Trindade (1897-1974), arcebispo de Botucatu,  que oficiou meu casamento com Regina em 1963: “santo orgulho”. Saber destinações.

O convite de Gyovana Carneiro, professora da UFG e “agitadora” cultural em Goiânia, e que no início dos anos 1990 frequentou curso que ministrei na pós-graduação na USP, foi no intuito da realização de um recital na nova sala da cidade, pequena e aconchegante, “Estúdio de Piano & Experiência Musical Natália Mendoza”. Trata-se de uma nova proposta que atende, paradoxalmente, ao decréscimo da aceitação da denominada música de concerto, mormente para as novas gerações, bombardeadas diariamente por um sem número de outros anseios através dos mutantes meios internéticos. O pequeno espaço, à la manière das ancestrais comunidades cristãs, que se reuniam sempre com intensidade exemplar, torna-se igualmente um local de resistência. Grata surpresa foi a presença de figuras relevantes do meio universitário e cultural de Goiânia, entre elas o Reitor da UFG, professor Edward Madureira, e outros docentes das várias áreas do conhecimento, entre os quais Anselmo Pessoa (literatura italiana),  assim como membros da sociedade amantes da música de concerto que compareceram ao evento que, numa primeira parte, homenageava o nosso ilustre Gilberto Mendes, mercê do centenário do compositor (1922-2016). A seguir interpretei criações de Bach-Liszt, Debussy, Oswald e Scriabine (sesquicentenário de nascimento).

Faço minhas as palavras de Mario Vargas Llosa que, em seu consagrado livro “La Civilización del espectáculo”, vaticinava a queda da cultura erudita. Ela se processa a passos largos. Se considerarmos os mais ventilados sites portais do país, logo nas páginas de abertura não mais há quaisquer resquícios alusivos à atividade da “outrora” alta cultura, duas palavras que eram habituais, inclusive a designar importante instituição portuguesa, “Instituto de Alta Cultura”. O leitor se lembrará de que anos atrás tencionaram retirar dos currículos escolares brasileiros autores como Camões e tantos outros luminares, numa tentativa rasteira de minimizar a cultura tida por esses mentores como elitista. Não houvesse resistência entraríamos num obscurantismo literário. Os sites mais frequentados do país privilegiam o supérfluo, a derrocada dos costumes e da moralidade, pois temas ligados a sexo e suas “modalidades” estampam as primeiras páginas desses concorridos portais com vexatória permissividade, em acréscimo abandonando o trato basilar da língua mater. Estou a me lembrar de tempos outros em que, durante uma década, escrevi para o Suplemento Cultural de “O Estado de São Paulo”. O saudoso e notável editor responsável, Nilo Scalzo, dizia que na redação havia um especialista que revisava todos os textos do denominado “Estadão” e do “Jornal da Tarde”, a fim de que erros ortográficos, de sintaxe e outros mais não aparecessem nas publicações. Quantos não foram meus textos de três páginas sobre música e arte publicados nesse outrora veículo exemplar?   A permissividade atual dos portais apresenta-se plena, sem pejo e todo um besteirol é transmitido às novas gerações. Infiltrado nas mentes, proliferam como erva daninha. Arte, literatura, música pareceriam pertencer, para esses portais, atividades “jurássicas”. Sob a égide da música efêmera, multidões, mormente de jovens, acorrem aos espetáculos de altos decibéis e rigorosamente descartáveis. Valor intrínseco, nenhum. Dizia eu em Goiânia que a morte trágica de cantora goianiense levou cerca de um milhão de pessoas aos seu sepultamento. Naqueles dias faleceu o maior pianista brasileiro da segunda metade do século XX e reconhecido no mundo como um expoente, Nelson Freire. Menções relativizadas e mínimas na mídia. Semanas após, pouco se falava da cantora. Nelson Freire permanecerá através de um legado indiscutível, felizmente registrado em gravações memoráveis.

Acredito firmemente que, apesar da nítida decadência da cultura erudita, focos de resistência existirão. Se décadas atrás tínhamos várias salas de concerto em São Paulo, como exemplo, e músicos consagrados e os jovens promissores recebiam público numeroso, hoje um teatro e uma sala, ambos grandes, recebem público considerável, mormente quando nomes consagrados no Exterior aqui aportam para récitas. As pequenas salas fecharam suas portas, e duas ou três continuam heroicamente a resistir. Intérpretes qualitativos nelas se apresentam e recebem ouvintes selecionados, que ainda cultuam a atividade musical erudita. Inúmeras vezes mencionei que na década de 1950 São Paulo tinha treze críticos musicais, que resenhavam considerações competentes tanto para os luminares como para os iniciantes. A maioria deles era versada em música. A cidade agigantou-se e a crítica musical estiolou-se. Não mais há o crítico musical de ofício, apesar de alguns assim  se autodenominarem. É de se lamentar.

É pois relevante a inauguração de uma sala pequena, mas que servirá de estímulo às manifestações de recitais e cursos. Se Goiânia teve, entre baluartes da arte pianística, a amiga saudosa Belkiss Carneiro de Mendonça (1928-2005), formadora de uma geração de competentes pianistas e que me concedeu o privilégio de prefaciar seu último CD, a chama da música de concerto não feneceu e o piano deverá continuar a revelar talentos, apesar dos tempos desalentadores. Que a esperança não feneça!

It is always a pleasure returning to Goiânia for musical activity. I have been there to present a recital in honour of the remarkable composer Gilberto Mendes in the small and cosy room of the “Studio of Piano & Musical Experience Natália Mendoza“, in the presence of a select audience.

 

Palestra e entrevistas

Na música, uma figura rítmica, um germe melódico,
um ocasional agregado harmónico, uma sugestão tímbrica,
é que são o ponto de partida para a organização sonora,
que, justamente porque é uma organização,
não nos é dada de pronto: vai-se-nos impondo,
vai sendo, vai-nos sendo,
até se perfilar numa forma,
e toda a forma é construção.
Fernando Lopes-Graça
(“Disto e Daquilo” – Crítica, criação, público, etc.)

Um período longo se passou do recital aos 14 de Julho de 1959 à retomada dos recitais em 1982. Prolongado hiato em que penetrei intensamente nos estudos voltados ao repertório pouco frequentado de um passado que remonta do século XVIII à metade do século XX e na divulgação progressiva de parcela da criação contemporânea, excluindo tendências, tantas delas impactantes, mas efêmeras. O culto ao repertório sacralizado continuou, mas homeopaticamente.

O regresso a Portugal se deu em torno de Claude Debussy. Havia interpretado a integral do compositor francês em quatro recitais e escrito o livro “O Som Pianístico de Claude Debussy” (Novas Metas, 1982), com prefácio da ilustre gregorianista Júlia D’Almendra. Nascia àquela altura uma amizade que se perpetua através da também competente discípula de d’Almendra, Idalete Giga. É ela que, sempre entusiasta, comparece aos recitais que se prolongam desde a retomada em 1982 e que, pela segunda vez, convidou-me para proferir conferência na sede do Centro Ward de Lisboa – Júlia D’Almendra sob o título “De Carlos Seixas a Eurico Carrapatoso – um envolvimento pleno”.

Clique para ouvir, de Carlos Seixas, a Sonata nº 78, em Si bemol Maior, na interpretação de J.E.M.:

Carlos Seixas – Sonata nº 78 in B flat major – José Eduardo Martins – piano – YouTube

Com a greve dos ferroviários, nossos diletos amigos António Sousa e Maria do Rosário nos levaram de Tomar a Lisboa para três eventos na cidade. Resquícios de uma prolongada pandemia obliteraram a realização de um recital na cidade, pois datas foram sendo alteradas desde 2020!

Mercê do caminho já trilhado, Idalete me solicitou, para a palestra, a abordagem que correspondia a uma retrospectiva quanto ao envolvimento com a criação musical em Portugal, autores percorridos e que me encantaram. Dos 25 CDs gravados no Exterior, seis foram dedicados à música portuguesa e outros seis à música brasileira, fato que corresponde exatamente ao que sempre pensei, pois não faço diferença entre Brasil e Portugal, devido certamente ao fato de nosso Pai, nascido no Minho, nos ter ensinado a essência essencial da palavra amálgama.

Em inúmeros blogs teço comentário sobre o repertório português que tive o prazer de estudar e outro que, em conhecendo, igualmente admirei, parte desse graças ao convívio com o meu saudoso amigo-irmão, o notável musicólogo José Maria Pedrosa Cardoso. Como não ser grato a Conceição Correia, que me possibilitou a leitura, no Museu da Música Portuguesa – Casa Verdades de Faria, em Cascais, de manuscritos essenciais de Fernando Lopes-Graça. À medida que me aprofundava, mais entendia o alcance de suas criações. Estou a me lembrar desse choque frente à totalidade dos manuscritos para piano de Claude Debussy. O saudoso amigo e maior expert em Debussy na segunda metade do século XX, François Lesure (1923-2001), permitiu-me durante 15 dias a leitura dos manuscritos para piano do grande compositor.  Permanecia durante o expediente em sala fechada na Bibliothèque Nationale em Paris. Um ano após, disse-me ele que toda essa produção estaria digitalizada, sendo que pesquisadores teriam disponíveis doravante a opera omnia em formato digital. Em termos brasileiros, igualmente estudei os manuscritos para piano das criações de Henrique Oswald, Gilberto Mendes e Almeida Prado. Acredito que o estudo a partir dessa fonte primeira revela tantas vezes o pulsar, a hesitação, a rasura, mas a pairar num patamar excelso, a criatividade do compositor. No presente, praticamente não mais se tem composições em manuscrito, pois estas têm sido digitalizadas no desenrolar da criação.

Clique para ouvir de Jorge Peixinho, Etude V Die Reihe-Courante, na interpretação de J.E.M.:

https://www.youtube.com/watch?v=Uc1PTtYbnoA

Na conferência do dia 14 de Junho a longa caminhada foi resumida de maneira sucinta. Friso sempre que a escolha do repertório deve estar sempre sob a égide amorosa. Selecionar o que deve ser interpretado após debruçamento pode basear-se em várias vertentes, como a qualidade do compositor; o contexto histórico da criação; a estrutura da obra estudada; a comunicabilidade de uma composição. Neste último caso, tantas tendências composicionais na atualidade se destinam unicamente a guetos. De Jean-Philippe Rameau (1683-1764), uma frase basilar: “La musique c’est le langage du coeur”. Dificilmente um compositor de reais méritos escreverá obra descartável, podendo sim ter criações que não atinjam o gosto do público por razões as mais diversas, mas elas lá estão para qualificar o que foi deixado no papel pautado.

Idalete Giga fez a apresentação da palestra e durante o encontro interpretei algumas obras no piano que foi de Júlia d’Almendra, piano que durante uma década (1980-1990) foi o instrumento que acolhia meus preparativos para os recitais em Portugal. Recordo-me de introduzir um cachecol sobre a surdina, durante as madrugadas, a fim de não acordar a vizinhança do andar superior, mormente quando determinadas composições estavam ainda “frescas” no repertório e necessitavam da maior atenção.

Outro aspecto a se considerar é a concentração que se deve manter quando um compositor está sendo estudado. Germina a curiosidade, uma das dádivas do homem. Conhecer mais obras de um compositor, desde que uma primeira determina o prosseguimento das investigações. Por vezes entramos num labirinto, mas é algo mágico o desvelamento progressivo de outras composições de um mesmo autor, sobretudo quando inéditas. Carlos Seixas, Francisco de Lacerda e Lopes-Graça se inserem nessa revelação. Da contemporaneidade, as obras de Eurico Carrapatoso, que tanto têm a ver com o preceito de Rameau, sempre me interessam.

Perguntas foram formuladas e busquei respondê-las a contento.

Após a palestra fui entrevistado pelo ilustre escritor e jornalista Joaquim Vieira, que se deslocou do Porto a Lisboa para o encontro, pois está a preparar um documentário sobre Fernando Lopes-Graça.

No dia 15, entrevistado pelo competente Paulo Guerra para o programa Antena2 da RDP, tive a oportunidade de responder às perguntas sobre minhas gravações, mormente aquelas voltadas à música portuguesa. Como não há foto do registro, inseri a tirada em 2018, quando o saudoso amigo-irmão Pedrosa Cardoso e eu estivemos no mesmo estúdio da Rádio.

Finda a breve turnê, Eurico Carrapatoso dedicou-nos generosamente um dia, levando-nos às florestas de Sintra. Idalete Giga nos acompanhou, mostrando-nos no dia seguinte outras maravilhas da região, pois  minha neta Valentina queria conhecer o local onde as fotos de Lopes-Graça com seu avô haviam sido tiradas em 1959.

Clique para ouvir, de Eurico Carrapatoso, Missa sem Palavras – Cinco Estudos Litúrgicos, na interpretação de J.E.M.:

Eurico Carrapatoso – Missa sem palavras – José Eduardo Martins – piano – YouTube

 

Numa manhã, feriado em Lisboa, transitava pelo Bairro Alto e desci a Rua Nova da Trindade, onde no nº 18 se encontra a Academia de Amadores de Música, instalada no 2º andar à esquerda. Fundada em 1884, por lá estiveram as figuras mais representativas da Música, assim como da Literatura e das Artes de Portugal, nos incontáveis eventos ao longo das décadas.  Passaram-se 63 anos da minha primeira apresentação em Portugal. Ao dizer à Valentina que o prédio deverá sucumbir à sanha das incorporadoras, quis minha neta registrar, possivelmente, uma última foto do intérprete frente a Academia, Templo que entendo do grande Lopes-Graça.

 

My presence in Lisbon was dedicated to three essential events: a conference at “Centro Ward de Lisboa – Júlia D’Almendra” at the invitation of Idalete Giga, competent Gregorian Chant specialist and prominent choral conductor, as well as two interviews. The renowned journalist and writer Joaquim Vieira is preparing a documentary about Fernando Lopes-Graça, hence the interview. With Paulo Guerra from RDP I talked about Portuguese Music and the imperious necessity of more emphasis on its international promotion.