Navegando Posts em Personalidades

Uma Obra Singular

Mas vivos que são?
Mortos incompletos.
José Gomes Ferreira (1900-1985)

Com o texto “Em torno de Canto e de Amor” encerramos o tríptico  dedicado ao ciclo que a Unibes Cultural e o Consulado Geral de Portugal em São Paulo realizaram entre os dias 13 e 15 de Outubro, tendo como tema fulcral a apresentação da primeira audição mundial dos 12 Cantos Sefardins (1969) compostos por Fernando Lopes-Graça para voz média e piano. Dois textos precedentes envolveram essa magistral obra e Viagens na Minha Terra para piano solo do notável compositor português, ficando reservado ao musicólogo José Maria Pedrosa Cardoso a autoria do primeiro e a mim, do segundo. Esse terceiro que escrevi completa a publicação realizada pela Unibes, competentemente ilustrada com belas fotos de aldeias e vilas portuguesas, a ter como tema central “Viagens e História”.

Após palestra “Em torno de ‘Canto de Amor e de Morte’ de Fernando Lopes-Graça – Mors certa, hora incerta “,  interpretei o Epitáfio para o Autor, duas das nove Músicas Fúnebres e Canto de Amor e de Morte. A anteceder a quarta Música Fúnebre, sob o título Morto, José Gomes Ferreira, vais ao nosso lado, a mezzo soprano Rita Morão Tavares cantou Jornada, do notável poeta, obra que integra o conjunto das Canções Heróicas de Lopes-Graça. Acompanhei-a ao piano. O tema de Jornada está presente, sob várias roupagens, no In Memoriam ao poeta amigo.

Canto de Amor e de Morte mereceu destaque especial em textos publicados no meu livro “Impressões sobre a Música Portuguesa” (Imprensa da Universidade de Coimbra, Coimbra, 2011. Edusp, São Paulo, 2014).

O segmento Morte na criação de Fernando Lopes-Graça apresenta-se como um dos mais frequentados. Dir-se-ia que uma atração clara, direcionada ao fim da existência, estaria presente desde os primórdios da vida adulta. Se Epitáfio para o Autor - terceira peça para piano do tríptico específico de 1930 -, já assinala ao músico, nos seus 24 anos, qual a inscrição em futura lápide, pondere-se que o tema deveria acompanhá-lo ao longo da vida.

A trajetória de Fernando Lopes-Graça (1906-1994) foi plena de sentimentos antagônicos. Sua música é consequência de constante luta interior frente a obstáculos exteriores que entendia serem necessários remover e à impossibilidade de vencer tantos deles, entre os quais os vários períodos em prisão, mercê de suas convicções ideológicas contrárias ao regime salazarista. Todos, provas de estresses por que passou. As inúmeras vicissitudes foram atenuadas pela proximidade com o povo mais simples das aldeias ou vilarejos e com a criação de um cancioneiro singular, constituído pelas canções de raiz harmonizadas pelo compositor, mas também criações outras do mestre, como marchas, canções heroicas, dramáticas e bucólicas. Soube selecionar os poetas, tantos deles seus amigos. Como regente-coral, percorreu Portugal a difundir riquíssimo repertório, que atendia diretamente aos anseios do povo menos afortunado. Sob outra égide, Lopes-Graça contemplaria em suas composições os mais diversos gêneros, evidenciando maestria e criatividade ímpar.

Constata-se, no vasto catálogo de Lopes-Graça, o direcionamento instrumental diversificado na temática morte. Mencionando-se as denominações explícitas, tem-se: Marcha quase Fúnebre (canto e piano – 1935); História Trágico-Marítima (voz e orquestra – 1942-1943), com texto de Miguel Torga, Cinco Estelas Funerárias (orquestra – 1938-1948), Onze Encomendações das Almas (coro misto a capella – 1950-1953), In memoriam Manuela Porto (coro a capella – 1950), Inscrição para o Túmulo de uma Donzela (canto e piano – 1950), O túmulo de Manuel de Falla (coro a capella 1961), Canto de Amor e de Morte, versões para quarteto de cordas e piano – 1961 e para orquestra – 1962), O túmulo de Villa-Lobos (quinteto de sopros 1970),  Requiem pelas vítimas do fascismo em Portugal (vozes solistas, coros e orquestra – 1976-1979).

Quanto ao piano solo, seu instrumento eleito, Lopes-Graça privilegia-o com vários títulos significativos: Três Epitáfios (1930), Canto de Amor e de Morte (original para piano – 1961) e as nove Músicas Fúnebres (1981-1991). Considere-se que o 11º dos 24 Prelúdios tem como título Fúnebre e que Préstito Fúnebre é a quinta peça da sexta das oito suítes progressivas  In Memoriam Béla Bartók (1960-1975), assim como Pranto à Memória de Manuela Porto, a quarta das oito Bagatelas (1939-1948), evoca o passamento da homenageada.

O meu interesse por Canto de Amor e de Morte (1961) em seu original para piano solo surgiu após instigante nota na “Tábua Póstuma da Obra Musical de Fernando Lopes Graça”, que foi concluída e teve acréscimos com informação e documentação várias de Romeu Pinto da Silva, na qual o estudioso insere que, meses antes de sua morte, em 1994, Lopes-Graça decidiu manter Canto de Amor e de Morte (original para piano) interditada para execução. A seguir ao original, Lopes-Graça faria duas versões, para quarteto de câmara e piano (1961) e para orquestra (1962). Solicitei cópias a Romeu Pinto da Silva, responsável pela fundamental “Tábua Póstuma…”, e que tem o mérito, inclusive, de colher, durante anos de convívio, intenções do músico nascido em Tomar. Gentilmente me enviou reproduções fotocopiadas dos três manuscritos em questão. Considere-se inicialmente que Lopes-Graça, ao realizar as duas versões de Canto de Amor e Morte para piano, já as deveria ter em mente num sentido de expandir a criação essencial. Ter abandonado o manuscrito original em sua configuração básica, a admitir rasuras e palavras concernentes às correções que deveriam ser feitas, anotar com firmeza quantidade abundante de dedilhados em segmentos precisos, a contrapor uma ainda provável indecisão no que tange outras indicações, teriam levado Lopes-Graça já a entender Canto de Amor e de Morte como uma obra que ultrapassaria, em sua visão pessoal macroscópica, os limites do piano. As inserções na página de rosto do original para piano das palavras “inutilizar” e da frase “há versão de câmara e versão de orquestra”, com caligrafia hesitante – tardias? – fariam supor  que o autor já estivesse satisfeito com a expansão, não retornando ao material primeiro.

A leitura do manuscrito de Canto de Amor e de Morte para piano, primeiro momento do pensar criativo do autor vertido para o papel pautado, trouxe  nessa  vestimenta inicial uma série de problemas. As rasuras tornaram-se menos importantes do que o termo “corrigir”, escrito pelo mestre tomarense em tantos segmentos. As notas colocadas no pentagrama no jorrar da criação, inúmeras vezes inseridas de maneira a possibilitar a dúvida, a ausência de muitos sinais referentes à agógica, dinâmica e articulação – presentes nas versões -, igualmente a suscitar outros questionamentos, tornaram imperativo o cotejamento desse primeiro impulso com os manuscritos copiados cuidadosamente por Lopes-Graça para as versões transcritas adequadamente e aprovadas para serem executadas. Sob outro aspecto, concernente a uma das características da anima, as indicações metronômicas da versão camerística serviram de orientação quando há ausência dessa marcação no original. Seria, contudo, a imensa possibilidade decorrente do som do quarteto e dos instrumentos de orquestra que faz entender a magia do manuscrito original, momento em que ideias “amplificadas” já se mostravam subjacentes. Só após o pormenorizar esses aspectos fulcrais da leitura foi possível verificar que Canto… está absolutamente completo, a não faltar rigorosamente nada essencial. Há apenas pequena diferença no número de compassos, pertinentes se considerarmos as destinações. Sob égide outra, já prefigura o original todos os anseios timbrísticos que vieram a partir da instrumentação. Pode-se entender o ‘orquestral’ em tantas intenções no Canto… primeiro. Essa assertiva não apenas dimensionaria uma visão abstrata não desprovida de emoção, mas também a longa permanência nas baixas intensidades, evidenciando mais agudamente as dissonâncias mínimas e os contrastes dinâmicos. A de-dinamização prolongada em segmentos longos e lentos de Canto… implicaria um cuidado diferenciado quanto à interpretação. O todo da criação primeva indicaria sensível percepção do equilíbrio, a produzir em Canto de Amor e de Morte, no original para piano, efeitos desconhecidos em outras obras de Lopes-Graça.

A leitura de dois textos emblemáticos, escritos por Jorge Peixinho (1940-1995) e Mário Vieira de Carvalho a respeito de Canto de Amor e de Morte (1961) em sua versão camerística com piano, leva o leitor a querer conhecer mais aprofundadamente essa obra. O porquê dessas menções assinadas por duas figuras essenciais na modernidade musical portuguesa? Lembre-se que ambos desconheciam o original para piano. Canto… pairaria no cimo da produção musical em toda a história da música em terras lusíadas, segundo os ilustres autores. Em análise competente, o compositor Jorge Peixinho observa com contundência: “O Canto de Amor e de Morte é, de fato, uma cúpula na música portuguesa: o ponto final de uma dialética entre diatonismo e cromatismo, resolvida ainda no âmbito de um contexto tonal levado às últimas consequências e por isso mesmo expressão dramática da incapacidade de síntese que só uma nova organização do espaço sonoro poderia atingir; e, ao mesmo tempo, a obra mais consequente e coerente na relação entre os diversos níveis de organização que a música portuguesa, com toda a verossimilhança, terá alguma vez logrado” (1966). Mário Vieira de Carvalho busca captar esse de profundis que caracteriza a obra: “Movimento em suspensão. Profunda tristeza.  Introspecção pungente. Valeram a pena o sonho, a luta, a esperança? A experiência íntima da pessoa que sofre, do artista que se põe em causa e à sua trajetória e ao seu destino, do cidadão frustrado pelo falhanço de alternativas socialmente libertadoras – é essa experiência íntima, onde tudo se mistura e tudo se condensa num sofrimento maior, que está incorporada em cada nota do Canto de Amor e de morte” (2006).

Canto de Amor e de Morte torna-se, numa apreensão técnico-pianística, glossário de fórmulas existentes ou que percorreriam outras criações. Detectam-se na obra elementos recorrentes e vindouros. Poder-se-ia acrescentar, sob égide outra, que há a presença de um idiomático tipificado, atuante na obra de Lopes-Graça destinada ao piano quando a temática é a morte. Processos que caminham desde os Três Epitáfios de 1930 estariam a demonstrar um arquivo técnico-pianístico. A proposta para o terceiro dos Epitáfios – Para o Autor - não anunciaria a presença da morte, acompanhante do compositor em sua trajetória como homem, músico e pensador, mors certa hora incerta? Alguns motivos – ou mesmo células geradoras – que tendem ao desenvolvimento estariam a evidenciar que Lopes Graça tem impregnado esse código voltado à morte, sendo possível supor que a ideia, ao surgir, já encontraria formatações definidas aprioristicamente. Se algumas são originais em Canto… , encontrar-se-iam sur le tard nas Músicas Fúnebres (1981-1991), sob diferentes vestimentas.

Uma situação singular surgiu quando pensei gravar e apresentar Canto de Amor e de Morte para piano solo. Pode o intérprete desrespeitar a intenção do compositor que assinalou – seria possível supor -  tardiamente “inutilizar” no frontispício do manuscrito? Esse questionamento esteve presente de maneira até conflitante, mercê da leitura prévia do que reza a Tábua… concluída por Romeu Pinto da Silva. Ao fim da leitura de Canto de Amor e de Morte, na certeza de que ela estava rigorosamente conclusa, corroborava os pensamentos de ilustres predecessores no julgamento da obra na versão camerística, Jorge Peixinho e Mário Vieira de Carvalho. Acrescentaria que não apenas é um dos cimos da criação em Portugal, como uma das mais significativas composições para piano solo da segunda metade do século XX em termos mundiais. Numa outra visão, considerando o exposto na Tábua…, que introduziu-me em incômoda posição de consciência, mormente se considerar o afeto pessoal que sempre tive pelo grande mestre Lopes-Graça desde o convite que ele me fez para um primeiro recital na Academia de Amadores de Música em Lisboa, no distante 1959, fiquei mergulhado num turbilhão de ideias contraditórias. Ao me decidir por apresentá-la em público em Maio de 2010 em várias cidades portuguesas, sendo que a primeira se deu no templo de Lopes-Graça, a Academia de Amadores de Música em Lisboa, fui levado por duas decisões após longos solilóquios: pode uma obra- prima ser escondida? Veio-me pensamento expresso em O Nome da Rosa, de Humberto Eco, “a ciência usada para ocultar, ao invés de iluminar”. Qual a razão de Lopes-Graça, um memorialista nato, não ter destruído de vez o original para piano, recomendando a Romeu Pinto da Silva que mantivesse esse primeiro Canto…  sem opus? Poetas, escritores, pintores e compositores destroem tantas vezes criações que não lhes agradam. Não rasgada ou jogada ao fogo, fatalmente Canto… iria para o acervo do compositor no fundamental Museu da Música Portuguesa, o que realmente ocorreu. Num futuro sem data serviria para possível tema de mestrado ou doutorado, com envolvimento maior ou menor por parte de um orientando. Antecipei-me, é certo, jamais movido por interesse outro que não a qualidade ímpar de Canto de Amor e de Morte para piano solo, como também pela mais profunda admiração, respeito e gratidão pelo extraordinário compositor Fernando Lopes-Graça.

This week’s post ends the triptych devoted to “Viagens e História”, cycle of lectures and recitals promoted by Unibes Cultural and the Portuguese Consulate-General in São Paulo with focus on the Portuguese composer Fernando Lopes-Graça. This final chapter addresses Lopes-Graça’s masterpiece ‘Cantos de Amor e de Morte’, that was composed in 1961 and received its Brazilian premiere during the course of the cycle. For the first time on the American continent an event of such dimension has been dedicated to the most outstanding name of classical music in Portugal in the 20th century – or even perhaps in its history.

 

 


Uma das Obras Essenciais Apresentadas no Ciclo da Unibes

Assim o povo,
que tem sempre melhor gosto

e mais puro do que essa escuma descorada
que anda ao de cima das populações,
e que se chama a si mesma por excelência a Sociedade,
os seus passeios favoritos são a Madre-de-Deus
e o Beato e Xabregas e Marvila e as hortas de Chelas.
Almeida Garrett (1799-1854)
(Viagens na Minha Terra)

No blog anterior apresentamos o texto impecável do musicólogo português José Maria Pedrosa Cardoso sobre os 12 Cantos Sefardins, de Fernando Lopes-Graça. A obra fundamental do compositor teve a primeira audição mundial neste último dia 15 de Outubro. Às melodias tradicionais sefarditas, Lopes-Graça estabelece como acompanhamento uma escritura por vezes transcendente no aspecto de entrosamento, pois propõe uma série de soluções complexas nessa combinação simplicidade melódica e refinadíssima composição pianística. O que poderia parecer antagonismo insolúvel resulta numa qualidade ímpar quanto à possível “união dos contrários”.

Os três textos que constam do opúsculo distribuído graciosamente pela Unibes não são propriamente notas de programa, geralmente textos informativos retirados de enciclopédias ou livros afins. Resultam dos aprofundamentos a que se propuseram Pedrosa Cardoso (Cantos Sefardins) e este músico para as obras mencionadas no título do post. Transcrevo, pois, excertos do texto sobre Viagens na Minha Terra, obra apresentada no programa que incluía os 12 Cantos Sefardins, interpretados em primeira audição mundial com recepção calorosa por parte do seleto público.

Apresentei Viagens na Minha Terra em São Paulo no ano de 2003 e em várias cidades portuguesas no mesmo ano, tendo gravado a magnífica coletânea, juntamente com outras importantes obras de Lopes-Graça, para CD do selo Portugaler. Escrevi o texto do encarte que reproduzo no presente blog. No recital do último dia 15 de Outubro tivemos datashow preparado pelo competente musicólogo José Maria Pedrosa Cardoso (Universidade de Coimbra), a particularizar “didaticamente” cada uma das 19 aldeias e vilas percorridas por Lopes-Graça.

Viagens na Minha Terra, cujo título e expressiva epígrafe são extraídos da obra homônima de Almeida Garrett, serve como homenagem ao grande escritor português e pretexto para o compositor penetrar Portugal em uma de suas essencialidades. Tão logo aceitas as iniciais, Lopes-Graça empreende outras viagens, percorrendo caminhos geográficos sob a égide da observação sensível e evocativa, sempre a ter esse povo da tradição como desiderato maior. Sente a grandeza de Portugal, como escreve em fevereiro de 1959: “[...] estímulo para novas partidas, para novas viagens neste continente ainda tão mal conhecido que é a música portuguesa”.

Viagens na Minha Terra expõe, em segmento expressivo da coletânea, o culto voltado ao religioso. Sete das dezenove “pequenas peças para piano sobre melodias tradicionais portuguesas”, subtítulo do álbum, têm a participação do povo da pequena cidade, do vilarejo ou da aldeia no intrínseco histórico de sua religiosidade, nessa prática dos ritos populares, acalentada diariamente pelo campesino ou citadino mais simples, no aguardo do evento que sempre ocorrerá, mesmo que seja anual. Existindo a preservação da tradição, o tempo escoa sem ser sentido. Procissões, rezas, folguedos sacroprofanos incorporam-se à série de peças, dando-lhes homogeneidade. Nessa atmosfera objetivo-subjetiva, Lopes-Graça descreve sugerindo, como a convidar o ouvinte àquilo que foi captado pelos sentidos e reinterpretado pela técnica apurada.

O ouvinte seguirá a procissão de penitência em São Gens de Calvos; a romaria do Senhor da Serra de Semide e mesmo a romaria de Póvoa de Val de Lobo, onde troam os adufes profanos; acompanhará o gestual e os sons do lundum em Figueira da Foz e também o fandango em Alcobaça; ouvirá o Bendito em São Miguel d’Acha; os cantos dos festejos de Reis em Rezende ou a velhinha de Pegarinhos em sua solidão, a expressar-se através de antiga canção de roca; contemplará o singelo Natal no Ribatejo; lançará um olhar às faldas da Serra da Estrela, à Citânia de Briteiros e às terras do Douro, e ainda ao ritmo da barcarola, conhecerá a Ria de Aveiro; presenciará as cenas campesinas em Monsanto da Beira, quando apanham a margaça; em Setúbal, onde comem a bela laranja, e em Vinhais, quando escutam um velho romance; constatará a ausência das que foram moiras encantadas em Silves. Todo esse mágico desfilar guiado pelas mãos de um autor autêntico.

Quanto ao idiomático técnico-pianístico, há profunda consistência intervalar e a utilização constante de oitavas paralelas nos movimentos lentos, enfatizando melodias, quintas, segundas maiores ou menores; apojaturas expressivas; o elemento percussivo, como rítmica complexa, a aparente aridez do rústico, rudeza poética, configurando determinadas características estilísticas do autor.

Viagens na Minha Terra foram dedicadas ao grande pianista brasileiro Arnaldo Estrela (1909-1980), que comungava de ideais sociopolíticos com o compositor português.

Há que se considerar, sempre, o entusiasmo de Lopes-Graça quanto às viagens em Portugal para recolha do material da música popular tradicional. Tinha em mente, no decênio da criação das Viagens…, a difusão dessa recolha: “[...] tendo eu regressado com um pequeno pecúlio de canções saborosíssimas, umas, outras de uma profundidade de expressão rara, todas oferecendo mais ou menos, por este ou aquele aspecto, matéria de meditação aos estudiosos do assunto”.

A revisitação às Viagens… dar-se-á em 1969, quando Lopes-Graça orquestrará todas as pequenas peças do álbum. Estaria a demonstrar o carinho para com a obra e esse novo debruçar propicia o descortino de todo um universo timbrístico, quiçá existente em 1953-1954, mas que, mercê do “processo de amadurecimento progressivo”, enriquece-se de concepções imaginárias outras. Maurice Ravel voltou-se para os Quadros de uma Exposição, de Moussorgsky, deles oferecendo uma leitura orquestral. Lopes-Graça faz o mesmo consigo próprio. Em ambos os casos, temos pequenos quadros musicais. Nas duas situações, a orquestra apenas ratifica a qualidade das obras pianísticas.

Lembrar Lopes-Graça é a certeza de nos depararmos com o grande gênio musical português do século XX em sua absoluta abrangência multifacetada, um dos vultos que melhor soube amar as terras e o povo de Portugal.

Brief considerations on the great composer Fernando Lopes-Graça’s works “Viagens na Minha Terra” e “12 Cantos Sefardins”, both presented at my piano recital held last 15 October in São Paulo, the latter with the participation of the Portuguese mezzo soprano Rita Morão Tavares and the professor José Maria Pedrosa Cardoso.


Portugal, Aldeias, Vilas e Música Sefardita

Não sei se tenho muita razão:
mas o que é certo é que quase sempre me causa revolta
(e eu já por lá passei pessoalmente) este sacrifício,
esta imolação, que o mundo faz do homem ao artista,
ignorando aquele para egoisticamente se rever na obra deste,
e depois cantar loas à grandeza e à glória do Homem,
do Espírito e não sei que mais coisas escritas com maiúsculas.
Lopes-Graça

Nestes oito anos e meio de existência do blog, inúmeras vezes escrevi posts sobre a música portuguesa, sua importância e divulgação. Fernando Lopes-Graça (1906-1994), o grande compositor português do século XX, tem sido um dos temas preferenciais. Sua criação imensa abordou quase todos os gêneros musicais e sua pena arguta, inteligente e criativa legou cerca de 20 livros realmente preciosos sobre os mais variados temas da área. Em torno de Lopes-Graça nasceria, em fins de 2014, um projeto a visar eventos especiais em São Paulo.

Bruno Assami, competente diretor executivo da Unibes Cultural e adido cultural do Consulado Geral de Portugal em São Paulo, convidou-me para uma reunião em que discutimos a música sefardita em Portugal e a possibilidade da realização de apresentações para promover a difusão dessa manifestação artística. Foi lembrada a coleção dos 12 Cantos Sefardins (1969) para canto e piano de Lopes-Graça, ainda não apresentada em público. Em torno dessa obra um projeto foi montado e, entre os dias 13 e 15 de Outubro próximos, a Unibes Cultural e o Consulado Geral de Portugal em São Paulo sediarão um ciclo de palestras e recitais a abordar a obra e o pensamento de Lopes-Graça, a enfatizar os 12 Cantos Sefardins.

A palavra sefardi, de origem hebraica, aplica-se aos judeus originários de Portugal e Espanha. A tradição remonta, possivelmente, à época dos fenícios e é mais documentada a partir do Império Romano. Os sefaradis mantiveram tradições e sua cultura resistiu às muitas outras culturas majoritárias através dos tempos, como a cristã, a dos bárbaros e a dos mouros. Durante a Inquisição foram perseguidos na Península Ibérica e expulsos nos séculos XV e XVI, estabelecendo-se em comunidades na África do Norte, Brasil, México… Os sefarditas da nação portuguesa também são denominados sefarditas ocidentais. Quanto à sua música, tem ela forte influência das culturas do Médio Oriente.

Abre o ciclo o Prof. Dr. José Maria Pedrosa Cardoso, que realizou extensa pesquisa a respeito dos Cantos Sefarditas compostos por Fernando Lopes-Graça. Foi às origens dos temas escolhidos e encontrou fontes preciosas, que o ajudaram nesse desvelamento. Sua palestra no dia 13 de Outubro versará sobre esse aprofundamento. Extraí alguns pontos do artigo que será publicado brevemente pela revista portuguesa Glosas em Portugal e que será um dos três textos que irão compor um opúsculo a ser distribuído durante o ciclo promovido pela Unibes Cultural. Pedrosa Cardoso dá uma panorâmica da gestação dos Cantos Sefardins.

“Com o título de Cantos sefardins, op. 181, compôs Fernando Lopes-Graça, entre 1969 e 1971, um ciclo de 12 peças  para voz e piano as quais, segundo Romeu Pinto da Silva e outros observadores autorizados, bem como Conceição Correia do Museu da Música Portuguesa, ainda não foram executadas em público.

Em ambos os casos, trata-se de composições importantes, que vale a pena considerar no seu justo valor. Nada se sabe da versão para canto e piano, a não ser que foi alguma vez ensaiada pelo próprio compositor na sua casa  diante de Manuel Cadafaz de Matos, que diz ter recebido o autógrafo   oferecido pelo compositor: ‘Quanto às Canções Sefarditas de Lopes-Graça, informo que o CEHLE é o actual detentor do manuscrito autógrafo do compositor, que por ele nos foi cedido em retribuição de uma (que ele entendeu ser) dádiva de amizade. Tal ocorreu quando – no Verão de 1979 – eu fui o responsável, entre 5 de Abril e 12 de Outubro desse ano, na Rádio Comercial, na Rua Sampaio e Pina, em Lisboa, de um programa semanal (de uma hora cada) intitulado A Linguagem e o Mito na Música Portuguesa.’ (Informação pessoal, que muito se agradece, prestada pelo Prof. Doutor Manuel Cadafaz de Matos).

Mais importante do que as vicissitudes da estreia ou não estreia de Cantos sefardins é a questão de saber-se o motivo que levou Lopes-Graça a escrever sobre música sefardim, isto é, música de tradição judaica hispano-portuguesa. Parece certo que nunca o compositor escreveu nada que fosse sobre música tradicional judaica. Donde lhe veio o interesse por tais assuntos? Segundo o musicólogo Sérgio Azevedo, ‘a música popular dos judeus sefarditas não podia deixar de interessar Lopes-Graça, nascido (muito próximo da Sinagoga local) numa terra de grandes tradições judaicas: Tomar’ (encarte da gravação da versão para canto e orquestra de seis dos doze cantos sefardins em questão). Por sua vez, Mário Vieira de Carvalho refere-se às raízes de uma tradição hebraica ‘a que a casa natal do compositor bem como as suas origens familiares também se encontram ligadas’ (2006).

Todavia, e partindo deste pressuposto, poder-se-ia conjecturar apenas que Lopes-Graça se tenha imbuído de alguma tradição judaica vivida na sua infância ou até que alguma fímbria judaizante lhe corresse no sangue, o que ele jamais confessou. Nada seria de estranhar que o avô paterno de Lopes-Graça, de nome Elisiário da Graça, para além de sempre ter vivido ‘na Judiaria, mais tarde Rua Nova (actual Rua Dr. Joaquim Jacinto)…’ (cf. António de Sousa, A Construção de uma Identidade: Tomar na vida e obra de Fernando Lopes-Graça, Chamusca, Edições Cosmos, 2006), aparentemente na mesma casa onde nasceu o compositor, não devesse o seu nome uma efectiva filiação judaica.

Para se explicar o interesse de Lopes-Graça pela música sefardim poderíamos ainda invocar amizades com judeus que lhe marcaram a vida, um dos quais foi Louis Saguer. O que é certo é que o compositor, por volta de 1969, se interessou seriamente pela música tradicional judaica. Como tomou conhecimento daquelas melodias sefardins? Neste momento, é possível declarar que foi através de um livro da colecção de M. Giacometti: Chants Sephardis, uma colecçao recolhida e notada pelo célebre judeu francês, Léon Algazi, e publicada em 1958 pela World Sephard Federation. Ali foi possível encontrar, nas pp. 27, 45, 48, 52, 55, 56, 57,65, 66, 74, 75 e 79, as 12 peças que constituem o cancioneiro sefardim de Lopes-Graça, a saber, pela ordem mencionada: Un Cavritico, Cuando el Rey Nimrod, A la Nana, Noches, Noches, Una Noche yo me armi, A la una naci yo, Durmo la Nochada, Arvolera, Arvoles yoran, Morenica sos, El sasento e Si savias gioya mía.  Pode ser que M. Giacometti tenha recomendado estas, e não outras, canções, razão pela qual Lopes-Graça lhe dedicou as suas composições.

É certo que Lopes-Graça se dedicou de alma e coração, escrevendo, entre 1969 e 1971, as 12 peças de antologia que constituem o seu op. 181. Segundo Sérgio Azevedo, ‘nada nestas peças se fica pela banal harmonização, mera roupagem erudita de cantos populares simples. Ao invés, é um ciclo de poderosos lieder, por vezes próximos das vanguardas da época (podemos compará-los com as obras semelhantes de Berio, ou do último Britten), cujo sabor oriental e complexa profusão polifónica e orquestral fazem por vezes lembrar Szymanowski, na sua fase de fascínio arábico. Fechando o ciclo, o rítmico, obsessivo e quase salmódico el cavriti (o cabrito) transforma tudo numa dança popular desenfreada, de uma virtuosidade orquestral  (e vocal) estonteante.’

E agora que o mundo se prepara para escutar pela primeira vez a versão original para canto e piano, tal como se encontra depositada no Museu da Música Portuguesa, no dia 15 de Outubro p.f., em São Paulo, na Unibes Cultural, pela voz de Rita Morão Tavares e pelas mãos de José Eduardo Martins, apeteceria passar a pente fino o conteúdo musical das 12 melodias eleitas por Lopes-Graça da tradição sefardim. É o que será apresentado antes, no dia 13 de Outubro e no mesmo local, pelo signatário deste artigo em conferência com o título de ‘Os Cantos sefardins de Lopes-Graça: origem e panorâmica analítica’. Aquelas melodias, recolhidas maioritariamente em Paris por Léon Algazi, são as que o compositor português, prestando preito aos seus possíveis antepassados e, de qualquer modo, gloriosos filhos enjeitados de Portugal, revestiu sacralmente de uma arte pianística de  eleição. Sem o fazer, por simples premura de espaço, seja lícito salientar que, para além do respeito intocável pelas melopeias, já langorosas e cheias de saudade, já alegres e mesmo jocosas, Lopes-Graça colocou nelas o seu estilo inconfundível, que faz das mesmas modelo de virtuosismo e, ao mesmo tempo, de um tratamento musical absolutamente ímpar, que lhe merece, certamente, ser inscrito no quadro dos maiores compositores de música judaica dos tempos modernos”.

No próximo post apresentarei excertos de minha palestra “Em torno de ‘Canto de Amor e de Morte’ de Lopes-Graça – Mors Certa Hora Incerta“, em que o compositor evidencia nítida atração pelo tema desde Epitáfio para o Autor, terceiro dos três epitáfios compostos em 1930. Interpretarei essa obra, duas das nove Músicas Fúnebres e Canto de Amor e de Morte. Igualmente, postarei segmentos do terceiro texto que compõe o pequeno opúsculo a ser distribuído durante o ciclo e que aborda Viagens na Minha Terra, obra fundamental de Lopes-Graça, cujo título, homônimo ao do romance de Almeida Garrett, testemunha afeições às terras lusíadas. A execução das 19 peças das Viagens na Minha Terra será substanciada pelo datashow preparado pelo prof. Pedrosa Cardoso que visitou nestes últimos meses as aldeias, freguesias e vilas contempladas pelas Viagens… Na segunda parte do programa do dia 15 teremos a esperada primeira audição mundial dos 12 Cantos Sefardins do grande mestre nascido em Tomar. Também apresentarei no blog testemunhos referentes à recepção do valioso repertório a ser interpretado.

This post addresses the cycle of lectures and recitals sponsored by Unibes Cultural – a non-profit organization – and the Portuguese Consulate-General, addressing the work and thought of the composer Fernando Lopes-Graça, with focus on the world premiere of his 12 Sephardic songs for voice and piano. The event will take place from October 13 to 15 in São Paulo, with the participation of the Portuguese musicologist José Maria Pedrosa Cardoso, the Portuguese mezzo soprano Rita Morão Tavares and myself.