Navegando Posts publicados por JEM

Relações de afeto


Após três longas noites a gravar meu derradeiro CD, houve confraternização com amigos que eu amo em Gent, na região da Bélgica Flamenga.

As gravações em Mullem, um dia após meu recital, foram feitas após o jantar, sempre acompanhado pela insuperável cerveja belga. Aguardávamos, Johan e eu, o cair da noite, que a essa altura nessa região dá-se por volta das dez horas.

Silenciam-se os pássaros, entre os quais o extraordinário mestre, o Melro. Adentrávamos na Capela Saint-Hilarius, meu Templo Mágico, e as musas inspiravam o intérprete em seu derradeiro registro, ciclo iniciado em 1999. Completava 20 anos a gravar na Capela com meu amigo fraterno, o inigualável engenheiro de som Johan Kennivé. As gravações eram feitas até o despertar da passarinhada, pouco antes do alvorecer.

Uma sensação estranha, nostalgicamente prazerosa, dava-se naqueles momentos finais de tão longo convívio. O intérprete se despedia da milenar Capela, que certamente abrigará durante muitos séculos outros sons das gerações pósteras.

Vim a seguir a Paris para visitar amigos que conheci no final da década de 1950. Amizades sólidas como a rocha mais rígida. Ainda estive com extraordinários amigos do Centre Debussy.

No próximo blog, já em minha cidade-bairro, Brooklin-Campo Belo, colocarei fotos da viagem. Agradeço a ajuda técnica de meus diletos amigos em São Paulo, Regina Maria e Magnus Bardela. Continuo jurássico em relação às novas tecnologias. Nada a fazer.

 

 


 

A acolhida silenciosa


Estar na Bélgica, precisamente em Gent e Mullem, traz-me lembranças de mais de duas décadas de convívio. Acredito terem sido para mim os anos de maior relacionamento voltado à essência musical, mercê prioritariamente das gravações. Registro definitivo pressupõe uma abordagem que escapa à apresentação pública. Mesmo a gravação com vídeo carrega consigo elementos voltados para o gestual do executante. Presentemente esse procedimento tem atingido limites aceitos pelo público ávido da imagem, mas que retiram a concentração do essencial, a música.

No silêncio absoluto da Capela Saint Hilarius, em Mullem, estou a viver meu derradeiro contato visando à edição de um CD. Antes da gravação dei recital na Capela, a apresentar todo o repertório a ser gravado. Faço-o sempre, desde o final dos anos 1990. Inclusive essa prévia com público competente faz com que já penetre nessa atmosfera inefável, solitária e mística da gravação. Três dias, como sempre, ou melhor, três noites, que têm início por volta das 23:00 e se estiolam na aurora. Sem açodamento, sem tensão ou ansiedade. Meu dileto amigo e excepcional engenheiro de som é também psicanalista. Sabe entender-me. Tem a percepção exata de que em determinado momento é necessária a pausa. Nos vinte anos de convívio anual, em datas precisas, jamais se preocupou com o tempo. Johan conhece a mente e o coração do intérprete. Encerramos as sessões num acordo mútuo. Essa atitude, raríssima entre profissionais de seu nível, permite que a transmissão da mensagem musical possa ser passada por inteiro aos microfones, que representam o público do amanhã. Se o recital é o vento que passa, a gravação nessas condições pode ser comparada à permanência, às pegadas deixadas no interior desse arsenal tecnológico que nem o vento ou o mar, em seu eterno fluxo, podem fazer desaparecer.

Escrevi ultimamente sobre legado e as admiráveis frases do filósofo português Eduardo Lourenço ainda estão vivas em minha mente: “O problema é que, consciente ou inconscientemente, escrevemos como se fôssemos eternos. Sem essa ilusão de eternidade como coisa nossa, nós não escreveríamos nada de realmente grandioso”. Acredito que a única certeza é a realização a mais cuidada possível. Meu dileto amigo Willy Corrêa de Oliveira, pensador e compositor de mérito, escreveu que “Intérprete é só aquele a quem é dado tocar o mistério. Ciência nenhuma leva até onde o mistério está”. Essa busca incessante pelo conteúdo essencial de uma obra escolhida para ser transmitida pode chegar a termo relativo, pois o anseio é sempre o do aprimorar. Em 1915, Debussy escrevia a Molinari que a beleza do som é a essência da Música. Chegar ao limite de uma interpretação pode acontecer em raros momentos. O hic et nunc ou, como diria o poeta, “a chegada das musas a inspirarem o ato criativo”, não acontece sempre, assim como a visão de pássaros migratórios ou da aurora boreal não é cotidiana.

Dificuldades quanto à Internet impedem-me de o alongar o texto.

 

Derradeira gravação

Não tocando para o que está a ouvir,
liberto do contato e da pressão do público,
o intérprete, invisível,
a endereçar sua mensagem a um ouvinte ideal,
universal, reencontra em sua solidão
a essência mesma da obra
e de sua personalidade de intérprete,
uma execução universal, ideal, típica de si mesmo,
e mais essencialmente musical que em um concerto.
Gisèle Brelet
(“L’Interprétation Créatrice” – vol. II, 1951)

Não poucas vezes nesse espaço, que remonta a Março de 2007, coloquei a posição da sacralidade da gravação, que deveria ser considerada pelo intérprete, em conditio sine qua non, como fixação definitiva de seus anseios e que para tal desiderato ter-se-ia de buscar as condições impecáveis para que o registro se dê. Qualidade insofismável do engenheiro de som, local com a melhor acústica possível, piano sem máculas. Esses aspectos só podem ser previstos se houver por parte do executante a certeza plena de que a mensagem do compositor foi absorvida após o mais intenso debruçamento sobre uma obra.

Intérprete e condições para a gravação têm de se amalgamar e, por mais que a indústria mundial onipresente estimule registros fonográficos preparados em curto tempo, escolhendo as obras a serem gravadas e nem sempre os melhores locais para o fim desejado, mesmo para os grandes intérpretes, que se engajam com essas empresas para esse mister, faltará a integração absoluta, a anima que vem de leituras sucessivas, prolongadas e pormenorizadas de uma partitura. A gravação estará disponibilizada no mercado, mas o açodamento será detectado através do passar dos anos. Gravações antigas, já na época dos LPs, apresentam luminares da interpretação em obras que integravam seus repertórios há longo tempo. A decantação é fundamento tanto para a música como para o vinho. Gravações hodiernas existem, extraordinárias sob os aspectos virtuosidade e impecabilidade técnica do intérprete, este a aprender de maneira rápida e habilíssima uma determinada partitura consagrada. Quantas não são as vezes em que a audição revela o vazio de ideias, mercê do imediatismo progressivamente mais presente ditado pelas gravadoras? O grande pianista Glenn Gould (1932-1982) tinha estúdio em sua morada, e as obras por ele escolhidas para gravação sofriam inúmeras seções de registro, a fim de se chegar ao ideal por ele proposto. Uma mesma obra era gravada à exaustão até o desiderato final de Gould ser atingido.

Continuo a me considerar um low profile, ainda mais por minha faixa etária. A qualidade insofismável de repertório escolhido desde os anos 1970 nem sempre é conhecida do grande público, sendo um dos fatores, entre muitos, para que a divulgação inexista. Para o intérprete há opções elásticas quanto ao repertório e deve ser ele o senhor da escolha e não os detentores da indústria de gravação. Para a mídia só interessa a sobrevivência, pois ela navega sempre em mares conhecidos. O inusitado torna-se para ela um anátema. Só aceitei gravar inúmeros CDs para o selo De Rode Pomp, da Bélgica, mercê da liberdade plena que André Posman, proprietário do selo, concedeu-me, jamais interferindo em minhas opções.

No pórtico dos 81 há que se pensar nos anos que ainda restam. O “tempo insubornável” de que nos fala o grande escritor Guerra Junqueiro pode parecer às gerações mais novas como supérfluo, distante; contudo, não o é. Acredito firmemente que as décadas vividas levam à reflexão e que o tempo dita procedimentos, apesar das plenas funções físicas ainda preservadas. Não seria no declínio que resoluções deveriam ser tomadas. Decidi que o próximo CD, o 25º gravado no Exterior com as condições extraordinárias acima citadas, será o derradeiro. Não interromperei minhas poucas apresentações, hoje restritas a pequenos auditórios. Como jamais tive agente e nunca fiz concessão repertorial, caminhos se estreitaram, mas não bloqueiam as apresentações. Prefiro atualmente o auditório seletivo, pequeno, exigente, acolhedor.  As gravações poderão permanecer, como bem afirma Giséle Brelet, se cuidadas com esmero quanto à perfeição tecnológica.

Foi um longo período a pensar na decisão. Sob outra égide, que programa escolher para esse último testemunho? Resolvi prestar uma homenagem à criança que eu fui e que iniciou seu eterno aprendizado aos nove anos de idade sem se desviar do piano, exceção a curto período de incertezas. O programa do CD será todo voltado à infância, sendo que algumas das obras não foram escritas para as mãos de uma criança, porém têm presente o espírito infanto-juvenil. Anteriormente já havia gravado na Bélgica obras pertencentes ao universo lúdico infantil: Francisco de Lacerda (1869-1934), “Trente-six histoires pour amuser les enfants d’un artiste” (1999);  Moussorgsky, “Quadros de uma Exposição” e Debussy, “La Boîte à Joujoux” (2003); Lopes-Graça, “Música de piano para crianças” (2012), Henrique Oswald, “Machiettes” (2010) e “Bluettes” (2015). Para este derradeiro CD resolvi inserir obras que dialogaram comigo na infância. Outras no presente, só que agora expressamente escolhidas com desiderato preciso. Gostaria de encerrar as gravações a agradecer a dádiva da vida e o que resta de esperança quanto à cultura musical erudita e a outras culturas.

Iniciarei a gravação com as “Peças Líricas” op. 12 de Edward Grieg (1843-1907). Após ter estudado brevemente com dois professores, Aída de Vuono e Antônio Giamarusti, permaneci três anos sob a orientação de um professor russo de nome Berkowitz, judeu exilado. Nada sabíamos de sua história, mas as marcações que deixou em minhas partituras evidenciavam um raríssimo conhecimento quanto ao fraseado e aos dedilhados. Foi Berkowitz que me ofereceu as oito “Peças Líricas” op. 12 de Grieg e as aprendi nos meus 10-11 anos de idade. Retomá-las é rememorar e prestar homenagem ao velho mestre. Dois anos após presenteou-me com outras peças de Grieg. A seguir, passei a estudar durante seis anos com o notável José Kliass, igualmente russo, até minha ida para Paris a desfrutar de bolsa do Governo da França, depois de prêmio no 1º Concurso Nacional da Bahia no longínquo ano de 1958.

Do compositor e pensador francês François Servenière (1961- ) gravarei   “Trois tribulations d’un écureil Lambda”, extraídas das sete “Tribulations”, que fazem menção às suas observações cotidianas  de um esquilo em parque próximo à sua morada. A seguir, “Promenade sur la Voie Lactée!”, a lembrar “O Pequeno Príncipe”, de Saint-Exupéry, um de seus eleitos e meu também, mercê igualmente do conjunto da obra do grande escritor francês.

Em 2011, quando do lançamento de meu livro “Impressões sobre a Música Portuguesa” (Coimbra, Universidade de Coimbra), Servenière e o ilustre compositor português Eurico Carrapatoso (1962- ) escreveram obras in memoriam do notável músico e regente açoriano Francisco de Lacerda (1869-1934), autor da obra mencionada acima. São três peças de Servenière e seis de Carrapatoso, estas inspiradas nos poemas infantis sensíveis da poetisa lusíada Violeta Figueiredo. De Francisco de Lacerda gravarei “Papillons” e “Zara” (epitáfio para uma criança).

Continua o CD com uma das composições que mais aprecio. Apresentei-a em primeira audição em 1989 e ficaria o almejo, desde aquele período, de um dia gravá-la nas melhores condições possíveis, pois um primeiro registro naquele ano, realizado em condições apenas satisfatórias no Rio de Janeiro para o selo FUNARTE, foi abortado pelo ex-presidente Collor de Mello ao desmontar a Instituição. Trata-se de “Recife, Infância, Espelhos…”, extraordinária coletânea constituída de 16 pequenas peças que reportam às encantadoras lembranças sonoras e emocionais dos primeiros anos recifenses, escritas por um dos mais importantes compositores de nossa história musical, Willy Corrêa de Oliveira (1938- ).

De um meu ex-aluno na USP e hoje radicado em Paris, onde desenvolve expressiva carreira como compositor e regente, gravarei “L’Enfant devant l’inattendu”, três brevíssimas peças de Maury Buchala (1967- ).

Edward Grieg compôs, ao longo da existência, 66 “Peças Líricas”, divididas em vários opus. O opus 12 que abre o CD foi escrito em 1867, sendo que a última das “Peças Líricas, opus 71, nº 7, em 1901. Grieg retoma em “Souvenirs” o tema da primeira peça do op.12, agora caracterizando-o numa valsa nostálgica plena de modulações. Pequena obra-prima. Encerro pois os registros para meu último CD a seguir o procedimento do grande Grieg. Começo e fim.

O CD número 25, muito longe de ser um marco em termos discográficos, significa muito para mim. Iniciei as gravações no Exterior em 1995, quando aos 57 anos. Foi André Posman que  me estimulou, após um recital na Bélgica: “Professeur, il faut laisser un héritage…” Convite aceito e anos de extraordinário convívio não apenas com André e a De Rode Pomp, mas com a cidade de Gent e muitos de seus músicos e cidadãos, que compareciam anualmente aos meus recitais que faziam parte das temporadas preparadas pelo seu diretor. De Rode Pomp promovia mais de cem apresentações anuais. A partir de 1999, todas as gravações sob os cuidados do engenheiro de som Johan Kennivé. Durante três madrugadas o pleno entendimento.

O CD, a ser gravado no final deste Maio, deverá ser lançado em França pelo selo ESOLEM, o mesmo que em 2017 produziu o CD “Éthers de l’Infini”, gravado em 2015 na sempre Mullem, na Capela Saint Hilarius, meu Templo mágico.

On my forthcoming travel to Belgium to record my 25th and last CD with works by six composers: Edvard Grieg, François Servenière, Francisco de Lacerda, Eurico Carrapatoso, Willy Correa de Oliveira and Maury Buchala.  Though I cannot deny my preferences for the traditional piano repertoire, I’ve always tried to be open to new musical languages, as far as I see in them talent and quality. All the works chosen for this CD  have a special meaning to me, some belonging to my world of affections since childhood. Beginning and ending linked through my love for music.